‘Você acha que tem mulher que pede para ser estuprada? Pense de novo’

A edição de julho da Revista Superinteressante ganhou elogios nas redes sociais ao propor na matéria de capa uma discussão fundamental para a sociedade brasileira: o fim da cultura de estupro.

Em sua página no Facebook, a revista publicou o perfil de Lucineide S., cabeleireira em Guarulhos que foi obrigada a casar com o homem que a estuprou aos 13 de anos de idade, quando ainda era virgem. “Até 2002 existia na lei brasileira a possibilidade de o estuprador não cumprir pena caso ele se casasse com sua vítima”

Estupro-450x584Para ampliar a discussão na web, afirmações que culpam a vítima (que ainda são ouvidas no trabalho, na rua e na casa dos brasileiros) foram questionadas em uma série de infográficos:

“Você julga uma mulher pelo tamanho da saia que ela usa? Isso é cultura de estupro.”
“Você acha que mulheres que bebem se colocam em situação de risco? Então você culpa as vítimas.”
“Você acha que existe mulher ‘pra casar’ e mulher ‘pra pegar’? Isso é cultura de estupro.”
“Você acha que tem mulher que pede para ser estuprada? Pense de novo.”

Além disso, a revista criou uma campanha por meio da hashtag #ChegaDeSilêncio, que convida ao debate do assunto e desconstrução da ideia de que esse tipo violência (física e psicológica) sofrido pela mulher é provocado por ela.

“Uma em cada cinco mulheres será estuprada. No entanto, até as mais respeitadas instituições – escolas, igrejas, universidades, famílias – varrem a violência sexual para baixo do tapete. Por quê? E até quando?”, questiona a chamada da revista.

11138126_10153700339762580_7356493549741152162_n11693851_10153700339847580_6549369727740070809_n-450x45011703032_10153700339827580_976484220431532683_n-450x45011709265_10153700339832580_7538865824393870543_n_1-450x450 11709584_10153700339747580_7549167451563227925_n-450x450

 

Vocês encontram essa e mais reportagens sobre esse tema na edição 349 Julho/2015 da Revista Super Interessante. 😉

Fonte: Catraca Livre e Revista Super Interessante

 

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *